Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

A Titi já volta

A Titi já volta

A mais deslumbrante caminhada do Algarve

Percurso dos Sete Vales Suspensos

18
Jul21

Os sete vales suspensos é o nome do percurso costeiro ao longo das arribas da costa do concelho de Lagoa, entre a praia do Vale de Centeanes e a Praia da Marinha.

É considerado um dos trilhos mais bonitos do Algarve e já foi eleito como o melhor destino para caminhadas da Europa.

O percurso de 5,7 Km desce e sobe os chamados vales. Cada vale suspenso esteve no passado associado à foz de uma ribeira que se ligava ao mar. A erosão e o avanço do mar criaram os vales. 

É um percurso para quem gosta de caminhar junto da natureza. A ação da água doce e salgada construiu a paisagem cársica, sendo possível admirar várias formações rochosas ao longo do percurso, como grutas, algares e arcos.

Quando ouvi falar neste percurso imediatamente entrou para a minha lista de atividades nas férias do Algarve. Fui no início de Julho e comecei a caminhar por volta das nove horas da manhã. Com algum vento, a temperatura estava agradável a uma caminhada.

O meu objetivo era fazer a caminhada e aproveitar as praias para descansar nas alturas de maior calor.

Tinha lido que este trilho deslumbra qualquer caminhante com as imperdíveis vistas de cortar a respiração. E fui conferir se era mesmo assim.

 

G0251265.JPG

 

Descrição do Percurso:

 

20210629_131626.jpg

 

Iniciei o percurso na Praia da Marinha. Foi considerada uma das dez praias mais belas da Europa e uma das cem mais belas do Mundo. Esta emblemática praia do Algarve é mundialmente conhecida e atrai muitos turistas.

 

20210629_090623.jpg

 

Junto do acesso há praia há um parque de estacionamento e um parque de merendas. Encontrei por ali alguns gatos que fazem parte de um projeto de gatos de rua. Estão esterilizados, são alimentados e vivem em plena natureza com uma vista soberba.

 

20210629_090358.jpg

 

20210629_090442.jpg

 

Assim que comecei a caminhar fui apreciando aquilo que a natureza criou e aproveitei as vistas para tirar inúmeras fotografias.

 

20210629_092126.jpg

 

20210629_100912.jpg

 

A praia da Marinha é rodeada pela falésia esculpida pela erosão. Do topo das arribas é possível apreciar a sua beleza que inclui as formações rochosas e o famoso arco M.

 

20210629_091712.jpg

 

Mais à frente podemos admirar a praia da Corredoura que apenas é acessível pelo mar.

 

20210629_093643.jpg

 

20210629_094158.jpg

 

São vários os algares que existem no litoral Algarvio e são muito comuns entre a praia da Marinha e a praia do Carvoeiro.

Os algares são poços naturais que se formam em regiões calcárias e ligam a superfície às galerias subterrâneas. A água da chuva, rica em dióxido de carbono, provoca a dissolução dos calcários que são essencialmente constituídos por carbonato de cálcio. Desta forma, conseguem ampliar as fissuras da rocha e formam rios subterrâneos. O progressivo desgaste da rocha leva a fendas e cavidades que dão origem a poços, galerias e grutas.

Ao longo do trilho existem vários painéis informativos sobre o que o caminhante pode observar.

 

A próxima paragem no trilho foi o topo do algar de Benagil. É um dos principais pontos turísticos do Algarve. O algar teve origem pelas águas que sobem e descem.

 

20210629_094825.jpg

 

Só visitando a gruta pelo mar é que podemos ver uma pequena praia dentro da gruta, com duas entradas na falésia e um algar no topo que a torna iluminada pelo sol.

Este algar foi classificado como uma das dez mais belas grutas do Mundo. E parece mesmo um cartão postal. Fiz o passeio ao interior da gruta apenas no dia seguinte.

 

20210629_095421.jpg

 

Em destaque com a paisagem envolvente, praias paradisíacas piscam o olho para uma paragem e um mergulho.

 

20210629_100808.jpg

 

E foi na Praia de Benagil que fiz a primeira pausa mais demorada para descansar e aproveitar o mar.

É mais uma praia cercada de altas falésias e tornou-se mais conhecida por albergar a famosa gruta de Benagil.

Esta praia de pescadores, hoje em dia, é ocupada pelas embarcações para a visita às grutas marinhas.

É logo na entrada do areal que estão as embarcações que fazem os passeios às grutas.

 

20210629_124544.jpg

 

E existem várias opções para visitar as grutas. O passeio de barco é aquele que é mais cómodo e que permite visitar um maior número de grutas, mas é proibido os barcos desembarcarem no interior da gruta de Benagil. Outras opções que são também muito concorridas é o aluguer de kayak ou paddle para se deslocarem até à gruta.

Assim que estendi a toalha tive uma simpática visitante que por ali ficou durante algum tempo. A praia é literalmente dela e de vez em quando vai dar o seu mergulho no mar.

 

20210629_103751.jpg

 

Mas o meu principal objetivo deste dia era fazer o percurso dos sete vales suspensos. Após cerca de uma hora na praia continuei a caminhada.

Voltei a subir o outro lado da falésia passando por encantadoras casas de Benagil.

 

20210629_124943.jpg

 

20210629_125110.jpg

 

O percurso até à Praia do Carvalho é novamente encantador e foram vários os desvios que fiz para apreciar as vistas costeiras.

 

20210629_125508.jpg

 

Nesta fase do trilho senti que as paisagens que via à minha frente me alimentavam o conta-quilómetros.

Mas eu já sabia que a Praia do Carvalho tinha algo de especial que me iria tirar do percurso durante algum tempo. Além disso, as altas temperaturas do Algarve já se começavam a sentir e a tornar o passeio mais cansativo.

 

20210629_130640.jpg

 

O acesso à praia é por uns degraus num túnel escavado na falésia. 

 

20210629_162750.jpg

 

Assim que atravessamos o túnel estamos numa praia paradisíaca. Areia dourada e água transparente fazem desta praia um pequeno paraíso. A praia não tem vigilância.

 

20210629_162719.jpg

 

20210629_162454.jpg

 

Aproveitei para almoçar os snacks que tinha levado e desfrutei do mar com vários mergulhos.

 

GOPR1068.JPG

 

Fiquei na praia até às 17 horas de forma a terminar o percurso com temperaturas mais aconselháveis. Ainda faltava quase metade do percurso.

 

20210629_164822.jpg

 

A partir daqui passei por vários algares com o olhar a caminhar na direção do cabo carvoeiro e o seu farol.

 

20210629_170135.jpg

 

Nestes algares desfrutei de momentos de silêncio onde apenas ouvi o bater das ondas nas arribas.

 

20210629_173128.jpg

 

20210629_173136.jpg

 

Mais uma paragem, desta vez no leixão do ladrão. É um grande penedo que avança mar dentro. Os leixões são núcleos rochosos mais resistentes à erosão, e com o tempo destacam-se da linha de costa devido ao seu recuo.

 

20210629_165402.jpg

 

Neste local é possível observar o trabalho das águas sobre a rocha calcária.

Existe também uma lenda que conta que uma princesa moura chorava a morte do seu amante e as suas lágrimas originaram o rendilhado típico da rocha calcária.

 

Histórias à parte e mais alguns metros à frente chegamos ao Cabo CarvoeiroNa extremidade do Cabo Carvoeiro encontra-se o Farol de Alfanzina. A torre tem uma altura de 23 metros. O farol foi construído em 1920 e tem um alcance luminoso de 30 milhas.

 

20210629_172605.jpg

 

É nas subidas e descidas mais íngremes que os vales são mais percetíveis.

 

20210629_174359.jpg

 

Mais à frente o percurso terminou na Praia Vale de Centeanes.

 

20210629_175944.jpg

 

Já era perto das 18h30 e apanhei um uber de volta à praia da Marinha.

 

Flora e Fauna:

 

Esta caminhada destina-se a quem gosta de apreciar a natureza. Além das magníficas vistas também é possível apreciar a fauna e a flora ao longo do percurso.

Existe uma vegetação típica das arribas calcárias, onde se destacam os matagais de zimbro e carrasco, e o pinheiro-de-alepo. Este pinheiro é das poucas árvores que consegue colonizar estes terrenos pedregosos e áridos. Além disso, plantas típicas do barrocal como a palmeira-anã e a aroeira também se encontram por aqui. Os tomilhais adaptam-se a elevada exposição solar e a solos pedregosos.

 

20210629_164930.jpg

 

Nas zonas de pinhal existe uma maior diversidade de espécies de aves como os chapins, o melro ou o mocho-galego. Além disso, alguns mamíferos como o rato, o coelho, o saca-rabos ou a raposa também habitam por aqui, mas os seus hábitos noturnos tornam mais difícil a sua observação.

 

Conselhos e informações úteis:

 

  • Roupa confortável e calçado de caminhada são essenciais. Além disso, leve água, comida, chapéu de sol e protetor solar.
  • Existem algumas sombras naturais mas deve evitar as horas de maior calor. Mesmo em dias de vento, este não se sente no cimo das arribas.
  • Existe um parque de merendas na praia da marinha e um outro próximo do Leixão do Ladrão.
  • Pode começar o percurso num dos dois sentidos.
  • O percurso está devidamente assinalado.
  • O terreno é na maioria plano, com alguns declives mais acentuados.
  • São 5,7 Km num só sentido ou 11,4 Km ida e volta.
  • O percurso está classificado como dificuldade técnica média por ter alguns declives e pedras soltas.
  • Por questões de segurança não ultrapasse as vedações.

 

Conclusões da minha experiência:

 

O esforço físico foi inteiramente compensado pelo que vi e aprendi durante o percurso. Além disso, ter conciliado o percurso com as paragens nas praias tornou a caminhada mais leve.

O percurso num só sentido demora uma média de três horas. A minha experiência foi de cerca de oito horas devido às várias paragens nos miradouros e nas praias.

Fiz este trilho com uma criança de oito anos, aquela que foi primeira pessoa a chamar-me de titi. Esteve sempre entusiasmada com o desafio e uns passos à frente. Portanto, penso que este trilho pode ser realizado com crianças, mas também depende sempre da criança. Basta estar atento e ter o cuidado de não passar as vedações nos algares e miradouros.

No verão a recomendação é fazer o percurso nas horas menos quentes. E foi precisamente nessas horas de maior calor que interrompi a caminhada e me deliciei nas praias. A praia do Carvalho é mesmo especial.

A erosão do mar sobre as rochas é constante e a natureza criou arcos e outras formas rochosas além das mais conhecidas, como a gruta de Benagil.

Neste trilho de natureza senti uma tranquilidade em plena harmonia com a paisagem e beleza de todo o percurso. E esta beleza natural é difícil de explicar.

Foi um prazer percorrer este percurso que mostra que o Algarve é mais do que ficar apenas o dia numa praia.

Recomendo com toda a certeza que experimente esta caminhada com fantásticas paisagens do litoral algarvio e repleta de miradouros, arribas, grutas e algares.

Para quem não tenha condições físicas de percorrer todo o trilho, pode fazer apenas algumas partes, como por exemplo, entre a praia da Marinha e a praia de Benagil ou a praia do Carvalho.

É difícil de responder à pergunta de qual a melhor parte deste trilho. Mas se tivesse de escolher, é a paisagem entre a Praia da Marinha e a Praia do Carvalho que ainda se mantém mais presente na minha mente.

Fiquei com a certeza que este é realmente um dos percursos pedestres mais bonitos do Algarve.

No dia seguinte fiz todo o percurso por mar desde Portimão. Irei partilhar este passeio num próximo post.

 

 

Boa Caminhada!

Titi

 

Vila Viçosa - história de um castelo, palácio e museus

O que visitar nesta viçosa vila?

05
Jul21

Considerada Princesa do Alentejo, Vila Viçosa é uma vila com herança cultural. Local onde o mármore é rei, é possível conhecer um castelo medieval, igrejas, museus e um palácio real. Podemos apreciar o rico património arquitetónico em cada recanto da vila.

Esta vila no coração do alto Alentejo foi o local escolhido para passar um fim-de-semana.

Partilho os locais que considero mais importantes e que deve visitar numa passagem por esta viçosa vila.

 

  • Praça da República:

É no centro da vila que encontramos uma agradável praça repleta de laranjeiras.

 

20210529_195206.jpg

 

Num dos extremos da praça está a Igreja de São Bartolomeu, famosa pela sua fachada em mármore. Trata-se de um exemplar clássico da arquitetura barroca.

20210529_193240.jpg

 

É uma agradável praça para um passeio, estando presentes várias homenagens como a Estátua de Bento Jesus Caraça e o busto de Florbela Espanca.

 

20210530_101855.jpg

 

Com um aroma a laranja ainda podemos apreciar a Igreja da Misericórdia e o cineteatro Florbela Espanca. Está também presente uma fonte em mármore branco com várias bicas.

 

20210529_193433.jpg

 

No outro extremo da praça começamos a vislumbrar o castelo.

 

  • Casa de Florbela Espanca:

Florbela Espanca foi autora de importantes sonetos e contos da literatura portuguesa. A poetisa nasceu em Vila Viçosa e viver intensamente era o seu lema de vida.

Numa rua junto à Praça da República,  no número 59 da Rua Florbela Espanca, encontramos a casa onde a poetisa viveu. É uma pena ver a casa abandonada e em degradação.

 

20210530_102116.jpg

 

20210530_102124.jpg

 

A poetisa dedicou alguns dos seus poemas a Portugal e ao seu Alentejo.

 

InShot_20210610_122127040.jpg

 

  • Pelourinho:

O pelourinho de Vila Viçosa fica de fronte à Torre de Menagem.

 

20210529_140629 (2).jpg

 

  • Castelo

Foi mandado construir por D. Dinis no século XIII.

 

20210529_195138.jpg

 

A fortaleza, construída no século XVI, defendeu a vila na Guerra da Restauração.

20210529_140641 (2).jpg

 

Passei as muralhas a partir da rua de Estremoz que vai dar até ao Santuário de Nossa Senhora da Conceição. Neste santuário está a capela de Nossa Senhora da Conceição, em honra da padroeira de Portugal. Ao lado está o cemitério onde se encontra a campa de Florbela Espanca.

 

20210529_194102.jpg

 

20210529_194252 (2).jpg

 

20210529_194011.jpg

 

Depois de percorrer as ruas em volta das muralhas fui até à fortaleza artilheira do castelo.

 

20210529_194321.jpg

 

20210529_194447.jpg

 

20210529_194817.jpg

 

20210529_194911.jpg

 

Atualmente, o castelo alberga o Museu da Caça e o Museu da Arqueologia. A visita custa 3€ e pode ser visitado no horário: 10-13h e 14-18h. 

 

20210529_195118.jpg

 

  • Terreiro do Paço

O Terreiro do Paço de Vila Viçosa está rodeado de importantes monumentos.

No centro desta praça quadrangular que destaca o mármore está a estátua equestre do rei D. João IV.

 

20210529_195849.jpg

 

 

Paço Ducal:

Mas o grande destaque da praça é o Paço Ducal, um magnífico edifício revestido de mármore. A fachada com 110 metros de comprimento domina o Terreiro do Paço.

 

20210529_195640 (2).jpg

 

Foi mandado construir em 1501 por D. Jaime, IV Duque de Bragança, sendo residência da família até 1910. Inicialmente foi a sede da Casa de Bragança e tornou-se casa reinante quando D. João IV foi aclamado Rei de Portugal.

O palácio foi sofrendo obras e adaptações ao longo das várias gerações.

D. Manuel II, último rei de Portugal expressou em testamento a sua vontade de ser criada a Fundação da Casa de Bragança de forma a preservar o património da Casa de Bragança.

A sua vontade foi cumprida e hoje em dia encontramos a Fundação Casa de Bragança com um conjunto de museus.

A visita é acompanhada por um guia e é possível visitar quatro núcleos museológicos.

Considero obrigatória uma visita ao palácio a quem passar por Vila Viçosa. Além da bela fachada em mármore, uma visita ao interior recorda a história de Portugal e da monarquia portuguesa. São inúmeros os tesouros a descobrir no interior do palácio.

Na visita ao Paço Ducal é percorrido o andar nobre onde podemos apreciar coleções de pintura, tapeçarias, esculturas, mobiliário, cerâmica e ourivesaria.

Os tetos pintados e as lareiras em mármore tornam o espaço ainda mais imponente.

Permanecem as memórias dos dois últimos reinados. Foi neste palácio que o rei D. Carlos dormiu a última noite antes de ser assassinado em 1 de fevereiro de 1908. O quarto mantém a decoração original e inclui quadros pintados pelo rei.

Depois de apreciar as nobres salas, a visita termina na espantosa cozinha que inclui bastantes utensílios em cobre.

A vasta coleção permitiu à Fundação dividir as peças de acordo com a temática, tendo sido desenvolvidos vários núcleos museológicos.

No Paço estão instalados a biblioteca, a Armaria, o Tesouro, a Coleção de Porcelana Azul e Branco da China e a Coleção de Carruagens.

Nas antigas cocheiras pode-se por exemplo admirar o landau que transportou a Família Real no dia do regicídio.

Foi uma visita culturalmente enriquecedora com recordações da história de Portugal ao mesmo tempo que apreciava arte.

 

Horário: 10-13h e 14-17h

Preço: Paço Ducal - 7€; Armaria – 3€; Coleção de porcelana chinesa – 2,50€; Museu das carruagens – 3€

 

Uma vez que não é permitido fotografar os vários espaços do Paço Ducal, pode consultar aqui o site da Fundação com fotografias para ficar com uma melhor ideia do que é possível ver.

 

20210529_224632.jpg

 

 

Igreja e Convento dos Agostinhos:

Uma igreja de estilo barroco está situada em frente ao palácio e foi o primeiro convento e casa religiosa a ser instituído na vila. É onde se encontra o Panteão dos Duques de Bragança.

 

20210529_195830.jpg

 

Igreja e Convento das Chagas:

D. Jaime mandou construir este convento para o Panteão das Duquesas de Bragança. A igreja de estilo renascentista tem a fachada com mármore da região.

O Convento das Chagas de Cristo foi adaptado e é atualmente a pousada D. João IV.

 

20210529_195957.jpg

 

  • Tapada Real

No norte da vila encontramos a Tapada Real que corresponde a um antigo couto de caça. Integra a propriedade da Fundação da Casa de Braganca.

Foi inicialmente criada por D. Jaime e a Porta da Tapada servia o Paço Ducal. Tem uma área de cerca de 1500 hectares e existem seis portas de acesso.

 

20210530_104546.jpg

 

  • Varandinha dos Namorados:

Próximo da Porta da Tapada encontrei uns miradouros com vista panorâmica sobre a vila. Têm vista sobre o castelo, terreiro do paço e pedreiras. 

 

20210530_104206.jpg

 

20210530_104141.jpg

 

  • Museu do Mármore:

O museu foi inaugurado em 2000 na antiga estação de comboios. Neste momento, situa-se junto à pedreira da Gradinha, no Olival da Gradinha, na saída para Borba.

 

20210530_112543.jpg

 

As pedreiras de mármore da região de Vila Viçosa, Borba e Estremoz são exploradas há 2000 anos. Distinguem-se pela qualidade desta rocha ornamental que é explorada para todo o Mundo. Foi no sentido de valorizar o maior centro extrator de mármore de Portugal que este museu foi criado.

A atividade exploradora do mármore é conhecida desde a época romana. Aliás, os romanos chamavam Marmol, que significa pedra branca ou pedra de qualidade.

 

20210530_105445.jpg

 

O museu descreve a componente geológica, mostra a componente tecnológica com o ciclo de transformação do mármore num produto, e por fim algumas peças demonstram a expressão artística.

 

20210530_105622.jpg

 

Em primeiro lugar, é explicado através de imagens a atividade extrativa do mármore.

 

20210530_105740.jpg

 

É também apresentado o processo de formação da pedra, como está distribuída na região e a sua caracterização físico-química.

Depois passamos à parte da extração. São mostradas algumas peças rudimentares e equipamentos que eram utilizados nesta fase.

 

20210530_105753.jpg

 

20210530_105804.jpg

 

20210530_105816.jpg

 

20210530_105832.jpg

 

Continuamos a visita para a fase da transformação. Algumas alusões visuais e peças dão a conhecer o ambiente laboral de transformação do mármore em produto. É igualmente mostrado as medidas padrão de exigência e as várias características do mármore.

20210530_105952.jpg

 

Por fim, podemos observar algumas obras de arte feitas com o mármore. Mais uma vez constatamos que o mármore é elemento de requinte na decoração.

 

20210530_110017 (2).jpg

 

20210530_110135.jpg

20210530_110249.jpg

 

20210530_110348.jpg

 

20210530_111928.jpg

 

No final da visita visionei  um filme intitulado “Vila Viçosa … Vila de Mármore”.

No exterior do museu ainda é possível apreciar algumas peças de mármore e maquinaria.

 

20210530_112407.jpg

 

20210530_105133.jpg

 

O museu é pequeno, mas com informação completa. A visita é bastante esclarecedora sobre a complexidade inerente à indústria do mármore.

A visita tem um custo de 1,55€ e pode ser visitado no horário: 9h30-13h e 14h30-18h.

 

Nas traseiras do museu ainda consegui ver a Pedreira da Gradinha que se encontra desativada há mais de trinta anos. Faz parte da história do mármore português.

 

20210530_112230.jpg

 

Existem outros importantes museus em Vila Viçosa, que infelizmente não tive oportunidade de visitar. Certamente ficaram para uma próxima visita à vila.

 

  • Museu Agrícola e Etnográfico

Situado na antiga estação da CP.

Horário:

Verão: terça a domingo 9h30-13h / 14h30-18h

Inverno: terça a domingo 9h-12h30 / 14h-17h30

 

  • Museu de Arte Sacra

Situado no antigo Convento de Santa Cruz, na rua Florbela Espanca.

Horário: 9h-17h

 

  • Museu do Estanho

Situado no Largo Mariano Presado.

Horário:

Verão: terça a domingo: 9h30-13h / 14h30-18h

Inverno: terça a domingo: 9h-12h30 / 14h-17h30

 

  • Igreja de Nossa Senhora da Lapa:

Situada no Carrascal, o mármore está uma vez mais representado neste templo de arquitetura barroca.

 

20210530_102831.jpg

 

  • Cruzeiro

O cruzeiro de Vila Viçosa encontra-se em frente à igreja da Lapa. Divide-se em duas partes abraçadas pela serpente. Simboliza a redenção do pecado e a esperança da salvação.

 

20210530_102756.jpg

 

 

Alojamento em Vila Viçosa:

Fiquei alojada no magnífico Alentejo Marmòris Hotel & Spa*****.

Foi uma soberba experiência que partilhei em outro post. Não deixe de ler o meu testemunho sobre este hotel. Pode ler aqui.

 

Gastronomia:

Como já é sabido a gastronomia Alentejana e os vinhos de qualidade são mais uma atração da região.

Conjugar a história e património à gastronomia é sempre uma ótima opção.

Nesta descoberta de sabores escolhi o restaurante O Paço Ducal Vila Viçosa. É um restaurante típico alentejano onde fui muito bem recebida e tudo estava saboroso.

 

InShot_20210626_213714438.jpg

 

 

Esta foi a minha história por Vila Viçosa. Fiquei encantada com esta viçosa vila rica em história e cultura.

 

Até à próxima escapadinha! 

Titi

 

A minha experiência marmoris numa viçosa vila

15
Jun21

O coração do alto Alentejo, terra onde nasceu a poetisa Florbela Espanca, foi o local escolhido para passar um fim-de-semana.

 

Durante os vários confinamentos por que passámos apenas saía de casa para trabalhar. Nos tempos livres criei vários roteiros e experiências para poder usufruir em Portugal, assim que fosse possível. Numa altura de incertezas penso que o ideal é desfrutar do que de bom existe no nosso país. Sinceramente, se não fosse a pandemia talvez tivesse escolhido um destino internacional e não tinha vivido esta incrível experiência.

O último ano trouxe-me momentos de maior introspeção, e que me fizeram pensar que não devo adiar certos momentos que sei que gostaria de vivenciar.

E uma das experiências que estava na minha lista era o Alentejo Marmòris Hotel & Spa *****. 

Após uma análise fiz uma reserva com cerca de dois meses de antecedência. Ainda estávamos em confinamento e tinha a possibilidade de cancelar até uma semana antes da data da reserva. Esta reserva também tinha o propósito de ser uma surpresa de aniversário para a minha mãe, uma vez que já a tinha ouvido falar deste hotel algumas vezes.

E aquilo que prometia ser uma experiência soberba foi também uma surpresa. O hotel está integrado na cadeia "small luxury hotel of the world". 

O Alentejo Marmòris não se trata apenas de um hotel, mas de uma experiência. Está localizado em Vila Viçosa, a vila também apelidada de Princesa do Alentejo. A uma distância de 180 Km de Lisboa e 60 Km de Évora, é um ótimo local para uma escapadinha de fim-de-semana.

Neste post desvendo o que encontrei na minha passagem  por este exclusivo hotel. Foi no último fim-de-semana de Maio que explorei esta belíssima região do Alentejo.

O hotel está instalado num antigo lagar de azeite e a extensa fachada em tons cinza foi preservada. Quem simplesmente observa o edifício do exterior não imagina o que encontramos no interior.

 

20210529_192530.jpg

 

Assim que entramos podemos admirar em vários locais o símbolo do hotel que remete para a história da vila. O formato está relacionado com o medalhão da vila e a coroa refere-se à Nossa Senhora da Conceição.

 

20210530_093516 (2).jpg

 

Após um rápido check-in somos convidados a um "welcome drink". Neste salão sente-se imediatamente um ambiente tranquilo, com uma música relaxante, e uma vistosa decoração. Todo o hotel faz uma celebração ao mármore e é neste salão que começamos a apreciar a beleza desta pedra.

20210529_192137.jpg

 

20210529_191019.jpg

 

20210529_191258.jpg

 

O mármore é uma pedra que na decoração é sinónimo de sofisticação, requinte e bom gosto. A extração desta pedra tem uma longa história em Portugal, sendo o Anticlinal de Estremoz um dos principais centros mundiais de extração de mármores.

O hotel homenageia a região em que se insere, uma vez que o mármore é o elemento principal em todos os espaços. Além do mármore português podemos apreciar, como por exemplo, o mármore da França, o preto Italiano, o verde da Índia e o amarelo da Turquia.

20210529_191931 (2).jpg

 

20210529_230023.jpg

 

O mármore combina na perfeição com a restante decoração que inclui obras portuguesas. Mas existem alguns pormenores que vale a pena destacar, como as portas do elevador pintadas à mão, um quadro que relembra Florbela Espanca e uma árvore bonsai com mármore.

 

20210529_191036.jpg

 

20210529_191101.jpg

 

20210529_191027.jpg

 

O luxo combina-se em harmonia com o requinte e conforto.

 

20210529_182431.jpg

 

O hotel possui cerca de 44 quartos e suites. Fiquei num quarto clássico localizado no primeiro andar do hotel.  Os quartos são espaçosos, acolhedores e o conforto salta à vista. Um pormenor diferente é que a televisão encontra-se dentro do espelho.

 

20210529_145442.jpg

 

20210529_145814.jpg

 

20210529_182900.jpg

 

Mas é na enorme casa de banho que mais uma vez me deparo com o luxo em modo mármore. Todas as casas de banho dos quartos são únicas, uma vez que apresentam várias combinações esculpidas em mármore. Além de chuveiro tem uma banheira.

 

20210529_145459.jpg

 

20210529_151514.jpg

 

20210529_151506.jpg

 

Adorei o lavatório em forma de concha que estava num dos quartos. 

 

20210529_182841.jpg

 

O quarto tinha um estreito terraço com vista para um largo.

 

20210529_183357.jpg

 

Depois de devidamente acomodada fui aproveitar o bom tempo do Alentejo na piscina. Uma mesma piscina exterior comunica com um espaço interior, sendo a água aquecida.

Trata-se de mais um espaço bem decorado, com bom ambiente e um bar. É bem provável que por aqui encontre algumas figuras públicas do meio social.

 

20210530_092320.jpg

 

20210529_181535.jpg

 

E foi aqui que a minha estadia se tornou ainda mais relaxante e agradável.

 

20210529_154757.jpg

 

20210529_171811.jpg

 

20210529_171450.jpg

 

20210529_172140.jpg

 

A piscina encontra-se num espaço rodeado por paredes. E este é o aspeto menos positivo do hotel. O espaço torna-se pequeno nas alturas mais movimentadas e a partir de uma determinada hora só existe sol de um dos lados. 

 

20210529_155036.jpg

 

A piscina encontra-se em funcionamento até às 22 horas.

 

20210529_225722.jpg

 

Outro local que torna o hotel mais imponente é o stone spa onde a arquitetura é uma vez mais dominada pelo mármore.

 

20210530_092829.jpg

 

20210530_092913.jpg

 

O spa está inserido numa pedreira natural, onde as paredes foram deixadas intactas.

 

20210530_092936.jpg

 

 

É composto por quatro salas de tratamento, tanques de hidromassagem, banho turco e um ginásio.

 

20210530_093032.jpg

 

Devido à pandemia o circuito termal encontrava-se encerrado. 

O spa aposta em tratamentos de vinoterapia. Os tratamento de massagem estão disponíveis e a massagem com pedra mármore é uma das experiências que caracteriza este spa. 

O local ideal para sentir paz, tranquilidade e relaxamento.

 

20210530_092730.jpg

 

 O hotel possui ainda salas de reunião e uma garagem privativa.

O restaurante Narcissus Fernandesii é o nome do restaurante onde colabora o chef Pedro Mendes. 

 

20210529_191049.jpg

 

Neste hotel parece que tudo está em sintonia para nos sentirmos mimados e confortáveis. Posso afirmar que passei uma luxuosa noite de descanso.

 

20210529_185220.jpg

 

20210529_185137.jpg

 

No dia seguinte acordei ainda mais viçosa. É no salão rosa que é servido um buffet de pequeno-almoço maravilhoso. Este salão é lindíssimo, sendo o rosa mármore de Portugal. O teto espelhado faz lembrar os salões de Viena.

 

20210530_090340.jpg

 

Relativamente ao serviço de buffet, em contexto de pandemia, foram criadas medidas de segurança. Cada hóspede tem uma pinça de cozinha para se servir e o buffet de quentes é servido pelos funcionários. O buffet é bastante variado e de excelente qualidade.

 

20210530_084704.jpg

 

Durante a estadia os funcionários foram sempre atenciosos, simpáticos e cordiais. Todas as comodidades foram 5 estrelas.

Foi um fim-de-semana inesquecível e feliz. O excelente serviço tornou a estadia perfeita.

 

20210529_192228.jpg

 

Antes de terminar vou responder à pergunta que certamente está a pensar. Quanto terá custado esta luxuosa noite? O valor de cada quarto foi 175€ para duas pessoas, sendo possível acomodar uma criança sem custos. O facto de a reserva ser antecipada tornou a experiência financeiramente mais acessível. 

O luxo costuma ser descrito como uma forma de prazer. Eu considero que é também uma forma de me presentar. Foi um fim-de-semana revitalizante e que tanto ansiava nestes tempos desafiantes.

Saindo deste museu dedicado ao mármore existe uma Vila Viçosa rica em história e cultura, que surpreende qualquer turista. Um castelo medieval, um palácio, igrejas, praças e museus foram os locais que me deixaram ainda mais encantada por esta viçosa vila. Aliado a tudo isto os vinhos e a gastronomia são outro atrativo da região.

Deixo para outro post a minha história pelos locais desta vila. Até lá pode espreitar as publicações desta escapadinha no meu instagram.

Adorei esta experiência que certamente irei repetir. 

 

InShot_20210611_225423331[1].jpg

 

Boas viagens!

Titi

 

Nota: Esta publicação não tem qualquer publicidade envolvida. Apenas partilho uma experiência.